As desgraças de uma criança

A peça é uma comédia de costumes que explora, com bom humor, temas recorrentes dos folhetins: triângulo amoroso, amores proibidos e casamento por interesse. 

 

A peça mostra as peripécias amorosas de dois conquistadores às voltas com duas garotas, que em uma noite festiva, criam grandes confusões para encobrir o romance proibido. 

Sinopse

O Sacristão Manuel Igreja é apaixonado por Ritinha desde que ajudou o padre a celebrar o casamento dela. Além de bela é filha de um rico militar reformado (Senhor Abel). Porém Ritinha enviúva e o caminho abre-se para as investidas do sacristão, aliado ao seu interesse por status e em colocar as mãos no dinheiro do futuro sogro.

 

Seu Abel, naturalmente, não concorda com a união, e faz de tudo para que ela não se consuma. Lulu é o bebê recém-nascido de Ritinha, que é cuidado pela ama Madalena, da qual Senhor Abel morre de amores. Madalena, entretanto, é amante do soldado da cavalaria Pacífico, que entre seus encontros furtivos dentro de casa, faz diversas peripécias para que Lulu cesse de chorar quando infortunado pelos ruídos. 

Montagem do espetáculo pela Sociedáde Musicál e Dramática Rio-bonitènse

Martins Pena

 

Martins Pena deu ao teatro brasileiro cunho nacional, influenciando, em especial, Artur Azevedo. Sobre sua obra, escreveu o crítico e ensaísta Sílvio 
Romero (1851-1914): "...se se perdessem todas as leis, escritos, memórias da história brasileira dos primeiros 50 anos desse século XIX, que está a 
findar, e nos ficassem somente as comédias de Martins Pena, era possível reconstruir por elas a fisionomia moral de toda esta época".

Após sua morte, ainda vieram a público algumas de suas peças, como "O noviço" (1853) e "Os dois ou O inglês maquinista" (1871). Sua produção foi reunida em Comédias (1898), editado pela Editora Garnier, e em Teatro de Martins Pena (1965), 2 volumes, editado pelo Instituto Nacional do Livro. Folhetins - A semana lírica (1965), editado pelo então Ministério da Educação e Cultura e pelo Instituto Nacional do Livro, abrange a colaboração do autor no Jornal do Commercio (1846-1847).

Ficha Técnica

Dramaturgia e Direção: Elias Andreato 

Direção Musical: Jonatan Harold
Elenco: Juçara Morais , Julia Zann, Guilherme Bueno e Raphael Gama  

Montagem do espetáculo pela Sociedáde Musicál e Dramática Rio-bonitènse

No texto "As Desgraças de uma Criança", Martins Pena critica com leve ironia e muito humor as relações sociais daquela época, e que ainda podem ser percebidas nos dias atuais.